Content

Artigos
Home Artigos Excessos de advogado não são cobertos pela imunidade profissional, afirma STJ

16/05/2022

Excessos de advogado não são cobertos pela imunidade profissional, afirma STJ

Por Valor — São Paulo Excessos cometidos por advogados não são cobertos pela imunidade profissional, e, em tese, é possível a responsabilização civil ou penal do profissional pelos danos que provocar no exercício da atividade. A decisão é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Segundo os ministros, o artigo 133 da Constituição Federal prevê que o advogado é inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão. Mas, o ordenamento jurídico e o Estatuto da Advocacia limitam essa inviolabilidade do profissional – que deve agir com ética e respeito diante dos demais atores do processo judicial, como o juiz e o representante do Ministério Público. “O ordenamento jurídico, aí incluído o Estatuto da Advocacia, dá o tom e a medida dessa prerrogativa”, afirmou o relator do caso analisado, ministro Paulo de Tarso Sanseverino. Os ministros da 3ª Turma, ao analisarem a situação do processo, mantiveram decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) que negou indenização a um juiz. O magistrado havia alegado ter sido ofendido por uma advogada que, em uma peça de recurso, teria utilizado expressões deselegantes e jocosas contra ele. O colegiado entendeu não foi comprovado dano no caso concreto e que eventual responsabilização civil depende do reconhecimento de efetivo prejuízo à outra parte. Sanseverino apontou que, conforme destacado pelo TJDFT, o destempero e a deselegância imputados à advogada não resultaram em dano moral indenizável, “pois, apesar de desconfortáveis, as imprecações não se avolumaram em intensidade a ponto de, como reconheceram os julgadores na origem, ferir-se o plano da dignidade do magistrado”. Segundo o artigo 7º do Estatuto da Advocacia, disse o relator, a inviolabilidade se configura mediante o sigilo profissional e enquanto imunidade penal. Para ele, a imunidade profissional está restrita ao exercício frutífero da advocacia, e a inviolabilidade não pode ultrapassar os limites da profissão. O número do processo não foi divulgado em razão de segredo judicial.
15/06/2022
Benefício para clínicas médicas ainda gera dúvidas
15/06/2022
Mudança em julgamentos no STF favorece contribuintes em disputas de R$ 75,8 bi
15/06/2022
Governo sofre efeito colateral por proibir créditos de PIS e Cofins sobre diesel
15/06/2022
STJ autoriza sequestro de bens em processo de sonegação fiscal
15/06/2022
Câmara dos Deputados aprova limitação do ICMS sobre combustíveis
10/06/2022
STJ mantém IR sobre venda de ações por herdeiros
10/06/2022
Tribunal analisa Selic para cobrança fiscal
10/06/2022
STF começa julgamento de liminar de créditos de PIS e Cofins sobre diesel
10/06/2022
São Paulo aplicará Selic em todos os débitos de ICMS
06/06/2022
Transformar clínica médica em day hospital garante redução da carga tributária
06/06/2022
Frete entre estabelecimentos da mesma empresa não gera créditos de PIS/COFINS
06/06/2022
Parcelamentos até R$ 15 milhões podem ser feitos sem garantias
06/06/2022
STF decide que Imposto de Renda não deve incidir sobre pensão alimentícia; veja o que muda
06/06/2022
Guedes estuda unificar tributos federais em uma única guia
06/06/2022
STF pressiona Congresso sobre herança no exterior
03/06/2022
Câmara aprova MP que ajusta regras de cobrança de PIS e Cofins sobre etanol
03/06/2022
Senado quer focar em reforma tributária enxuta para conseguir aprovar Refis
03/06/2022
Senado aprovada devolução de créditos tributário aos consumidores por meio de redução na conta de luz
03/06/2022
Relp: novo prazo de adesão do programa termina hoje (3)
03/06/2022
STF: maioria vota para Congresso editar lei do ITCMD sobre herança no exterior em um ano
VER TUDO
Por Eng
Seu Pedido
0

Você não tem itens
no seu pedido

Continuar Comprando